domingo, outubro 04, 2009

As ferramentas de persuasão do marketing


Na aula passada assistimos o interessante filme "Obrigado por fumar" que fala sobre a indústria de tabaco e suas ferramentas de comunicação com seu mercado. Trata-se não só da forma persuasiva de manter seu público fiel como de conseguir novos consumidores, direcionando sua forma de pensar e agir desde a infância. Maléfico, no caso de um produto, comprovadamente, nocivo. O "Relações Públicas" do filme tem argumento pra tudo e consegue convencer com seus argumentos até mesmo quem não fuma.

Outras indústrias... de alimentos, carros, tecnologia, entretenimento... entre outras claro, não fazem o mesmo?

Não se trata de manipulação, mas de sabermos que estão os produtos e marcas nos envolvem emoções e experiências. Nem sempre isso é negativo, se tivermos consciência disso, o quanto melhor. Como profissionais devemos saber avaliar o melhor caminho e observar como estratégia e relacionamento com o público. O quanto de verdade há nisso, cabe a cada um avaliar.

Pense nisso! Abraço


25 comentários:

Giovana Rost disse...

Boa noite profº!
Acredito que todo produto que possa contar com uma ferramenta forte de marketing pode levar aos olhos dos consumidores muitas sensações, como a de ser livre, ou de estar apaixonado, a de ser forte e algumas vezes vulnerável.
No filme que assistimos pude observar como bons argumentos pode levar determinados produtos a continuar forte em suas vendas como o cigarro por exemplo que conta com tantas imposições.
Mais também observei no filme que acima de tudo devemos ser livres para fazermos nossas próprias escolhas e também de termos opiniões próprias, pois o certo e o errado já conhecemos.

Giovana Rost - Aluna 3º semestre Processos Gerenciais - Faculdade Eniac.

Anônimo disse...

O filme demonstra como as empresas do tabaco se defende dos ataque ao cigarro.Porém,não concordo que elas tenham total culpa de que as pessoas comprem um cigarro ou que sejam viciados nele.Muitas pessoas procura o cigarro por outros motivos como depressão,rebeldia ou por incentivo de pessoas próximas.O fato delas viciarem provavelmente deve ser das substâncias usadas na fabricação do cigarro.Mas uma coisa intereçante que foi exposta no filme é sobre o oportunismo que os políticos usa em favor de si próprio indo contra o cigarro.
O filme é exelente.
ASS.Jackeline.

Danilo disse...

É complicado dizer o que é certo ou errado, para mim, uma pessoa que não fuma, acho totalmente contra meus principios a ideia do tabaco, já para um fumante, sei que sua ideia será oposta a minha. Acredito que dentro do Marketing o importante é você saber comunicar e persuadir, a necessidade já existe, precisamos então "criar o desejo". O importante mesmo é saber alinhar o que o marketing mostra com a verdade sobre o produto e sabermos observar isso, pois, dessa forma não seremos enganados, no final das contas, nós que iremos decidir, então fazer de forma consciente...

Danielle disse...

OBRIGADO POR FUMAR.

Logo no inicio do Filme é possivel perceber o tom ironico e satirico que predomina durante o filme.

Na primeira cena do filme é sobre um problema do cigarro na sociedade. O filme demostra com clareza as contradições que regem esta industria e o problemas que ela faz a sociedade.
O filme demostra como discurso pode ser utilizado para influenciar as pessoas e como isso é feito em propagandas, filmes e por profissionais de diversas áreas em função de suas atividades, sejam elas corretas ou não.
Um analise interessante a ser feita sobre o filme em niveis diferentes a força do dircurso é "Se argumentar corretamente, nunca estará errado".

Pedro Luiz disse...

Boa tarde, O filme trata de uma questão de escolhas, assim como tudo na vida da gente, cabe optar pela escolha certa ou errada, e assumir suas consequencias e responsabilidades; Trata também de escolhas de confiança, e devemos sempre saber em quem confiar, para não se arrepender mais tarde.um forte abraço . PEDRO - ENIAC -

Mariana disse...

Obrigado Por fumar!

Acredito que a Mensagem principal do filme é a Opção. Cada um de nós tem a sua de Fumar ou não fumar. O lado cruel das indústrias de tabaco, bebidas e armas são mostrados no filme, quando o lucro é o único objetivo a ser alcançado, Vender é o objetivo, não importa que seu produto seja maléfico ou que as pessoas não o necessite.

ronaldo lima disse...

Bom acho que esse filme nos fez ver de um ângulo diferente,ou seja claro que o cigarro e prejudicial a saúde isso e claro e bem divulgado,mas vocês acham que essas empresas querem que seus consumidores morram de cancêr ou outra doença decorrente do cigarro??bom acho que não e "hoje o mundo e cheio de escolhas e devemos seguir a nossa" faça a coisa certa para você e não por ter medo do que os outros vão falar.curso gestão empresarial 3° semestre

ronaldo lima disse...

bom esse filme nos fez ver um outro lado que todo mundo sabe que o cigarro e prejudicial a saúde,mas vocês acham mesmo que essas empresas de tabaco querem mesmo que os consumidores morram de cancêr ou outra doença decorrente do cigarro?? todos nós temos escolhas e somos livres para fazer o nosso caminho porém acho que eles estão fazendo o trabalho deles,compra quem quer. 3° semestre de gestão empresarial

Bruno disse...

Ao assistir o filme "Obrigado por fumar" me deparei com muitas reflexões. Em nível de aprendizagem é um tanto quanto inovador, ousado e extremamente ácido. Cinismo e sarcasmo são revelados lado a lado, e a dura realidade do mercado é apresentada nua e crua sem nenhum artifício para embeleza-la. A abordagem é corajosa e atual desenvolvida em um roteiro mais do que inteligente.
O filme mostra que o poder da persuasão nos possibilita o destaque na exposição de nosso modo próprio de ver a realidade. Contudo, podemos dizer seguramente que por mais que o argumento e o argumentador sejam excelentes não existem verdades absolutas, toda opinião ou argumentação é baseada em um ponto de vista que, de maneira parcial e nunca global, tenta responder às circunstâncias de determinada situação.Faz-se necessário então, o uso do bom senso diante das situações nas quais nos propuserem, por exemplo, uma escolha.
Não há dúvidas que devemos fazer uso do nosso poder de persuasão para defendermos nossos ideias e opiniões nas mais diversas realidades onde estamos inseridos, entretanto, deve ser nossa meta usá-lo para o beneficio coletivo e não tão somente individual.
Ao meu ver a reflexão principal que a obra propõe vai bem além do simples consumo de cigarro, o produto poderia ser qualquer outro, aliás, esse é o pano de fundo do filme, o que toma o plano central deste trabalho é justamente o poder persuasivo da palavra, ética profissional, moral social, a existência de parâmetros reguladores da capacidade de pensamento e consolidação de opinião, a discussão situa-se em um universo de proporção bem maior do que se pensa em um primeiro momento.

Bruno Tadeu - aluno de Com. Social - RP 1º semestre
Faculdade Eniac

Thamara Souza disse...

Boa tarde.
Este filme é interessante, pois mostra que o produto seja ele qual for precisa sim de uma boa propaganda, e precisa mais ainda de bons argumentos que á justifique, assim ele faz com que o produto seja visto com uma nova imagem diante de seu público.
Traz também uma lição para a vida, sempre temos que saber o que estamos fazemos?, Com quem? E o principal.. Quando parar?!.

Anônimo disse...

Boa Noite.
No filme, o profissional de relações públicas "Lobista", defende de todas as formas o seu produto. Por outro lado tenta educar o filho mostrando a ele, que o que faz é um trabalho digno como qualquer outro, mas no fundo sabe que o seu produto mata milhões de pessoas no mundo, e que para a indústria do tabaco isso não importa muito, desde que ao morrer um cliente outro deve ser colocado em seu lugar. Entre discussões e interesses políticos, ironiza o vício, defendendo a liberdade de escolha.

Andréa Araújo - Aluna 1º semestre Comunicação Social.
Faculdade Eniac.

Kah Ferreira disse...

Neste filme o ator principal usa uma ferramenta poderosa, indispensável no mundo do marketing: a persuasão.
Ele tenta convencer as pessoas que fumar não faz mal. Mas caso elas pensam ao contrário, devem descobrir por si próprias ao utilizá-lo. Torna-se um profissional de renome por ter uma forte argumentação para defender o cigarro, mostrando ser muito mais importante a argumentação do que a negociação.
Ao mesmo tempo em que defende o cigarro com todos os argumentos possíveis, ele tem um filho e preocupa-se em ser um exemplo pra que ele não fume quando crescer.
No final das contas depare-se com uma pergunta crucial: "Você quer que seu filho fume quando for maior?". Desconcertado, fica quieto por não saber que resposta dar. Mas, para não perder a pose de "bom profissional" responde que se ele for fumar faz questão de comprar seu primeiro maço de cigarros.
Um filme engraçado que nos dá uma boa visão do que é ser um profissional de Relações Públicas.

Karen Ferreira - ENIAC
Comunicação Social - Relações Públicas

Patrícia Keiko Yoshida - Comunicação Social - Publicidade e Propaganda disse...

"Se você sabe argumentar, você nunca estará errado".
O que mais chamou minha atenção nesse filme foi o ato de persuasão, a maneira como o Relações Públicas consegue driblar todos que tentam derrubar não só o tabagismo, como o “Homem que sabe falar” (RP) também. Com ele, a influência a favor aumenta, pois quanto mais tentam encostá-lo na parede nos debates, entrevistas, entre outros meios, mais se sobre sai com suas respostas inteligentes, e até quem não fuma acaba ficando na dúvida sobre os verdadeiros males que o cigarro pode ou não causar.
O público mesmo conhecedor de todos os males desencadeados pelo cigarro, e que por muitas vezes, a convivência com fumantes dentro da própria casa pode influenciar e despertar a vontade de experimentar.
E o mais importante é que o filme deixa bem claro que, a escolha é livre, fuma quem quer fumar.
Obrigado por fumar !

William Moraes disse...

Olá Alexandre,
Nesse filme é retratado o poder de persuasão de um bom profissional de relações públicas, ele tem o poder de convercer o público daquilo que beneficia a sua empresa, mesmo que vá ao contrário de seus princípios, ele consegue deixar o público com uma ideia positiva sobre o cigarro, estratégicamente.

Lucas Fernandes disse...

Para analisarmos em termos de marketing este filme primeira devemos partir do ponto neutro, pois todos nós sabemos que o cigarro é prejudicial a saúde, mas não é isso que as empresas querem passar, pois certamente a vida é feita de escolhas e o usuário fuma por que quer não porque a propaganda o influencia. A partir deste posto a empresa trabalha com os melhores argumentos porque como diz : "Se argumentar corretamente, nunca estará errado". Eles tem as armas , mas nós temos a escolha.

Niele disse...

O filme mostra um profissional que tem um poder de persuasão incrivel, afinal nós sabemos os males que o cigarro causa, mas no filme é mostrado o quanto a imagem, a informação e a propaganda é manipulada pela mídia antes de chegar ao consumidor, nós sabemos o quanto cigarro faz mal, e podemos escolher se queremos ou não fumar, mas tudo gira em torno de um bom ARGUMENTO.

Jonatan Androwiki disse...

O filme é muito bom e exemplifica-nos bem o quão importante o profissional de relações publicas pode ser para uma empresa, fazendo ate mesmo uma empresa de cigarros –politicamente incorreta- parecer menos nociva a seus clientes como esses mesmo pensavam. Outro fator que a película ressalta é o poder de argumentação, onde o ator principal, o lobista Nick Naylor em diálogos com seu filho, sempre procura passar a imagem de que não há lado errado em uma argumentação, e que se “argumentar corretamente, nunca estará errado.”
A argumentação realmente tem esse poder, de maquiar e transformar a imagem de algo e/ou alguém. Para nós, profissionais de relações públicas, fica a valorosa lição de que neste meio, devemos ser extremamente imparciais e abraçar a causa da qual lutamos, acreditando de verdade que ela é a certa e de que funciona.
Por isso o bom lobista é aquele que consegue convencer a si mesmo, antes de outras pessoas.

Jonatan Androwiki- 1º semestre de CS/RP
Faculdade ENIAC

DAVID & PATTY disse...

A adoção de medidas restritivas ao consumo como a proibição de veiculação de propagandas na TV ou no Rádio, em outdoors ou em revistas e jornais tem ajudado a diminuir os índices de consumo, mas as quedas não são expressivas; a obrigatoriedade de colocação de imagens que demonstrem as graves enfermidades associadas ao consumo do cigarro também causaram forte impacto e comoção inicialmente, mas passado algum tempo de sua aplicação, perderam a eficácia que delas se esperava.
O foco das indústrias tabagistas não é a manutenção de seus clientes já estabelecidos, mas o estímulo ao uso do produto por novas gerações de consumidores. Nesse sentido sua ação acaba sendo direcionada aos jovens e atinge, como efeito colateral, também aos adolescentes e até mesmo crianças.
Droga legalizada como o álcool, que movimenta grandes somas de dinheiro, gera empregos, produz dividendos e lucros para seus acionistas e ainda garante arrecadação fiscal substantiva para o governo (já que é sobretaxada) – dificilmente será impedida de funcionar ou terá proibida da venda de seus produtos.
O que acaba dando a sociedade civil organizada, as famílias em particular e a escola como instituição mais diretamente relacionada à formação educacional e cultural dessas novas gerações a responsabilidade de esclarecer e de orientar as nossas crianças, adolescentes e até mesmo os jovens, a não fumar...

Camila N. Molina - PeP - Ra890709 disse...

Oi professor!!!
Achei o filme muitíssimo interessante, pois aborda um tema que gera muita polêmica de uma forma leve e divertida. O papel do Nick mostra a importância de sermos profissionais independente de qualquer coisa, pois no fundo ele mostra a preocupação com seu filho, mas sempre defende seus ideais de forma inteligente e criativa.

jussara pinhatar disse...

Oii Alexandre...ainda se lembra de mim? dúvido que não. Tenho acompanhado seu blog até hj. rsrs e adorooo... Saudades das suas aulas super produtivas, as vezes vejo algumas coisas na net na Tv e me lembro na hora das suas aulas! Bjus Valew pelo aprendizado.

Alerodz disse...

Obrigado pela participação pessoal. Continuem on line e conectados. Abraços e sucesso.

jussara pinhatar disse...

Oi Alexandre, quando li isso lembrei de vc, ja que é a sua paixão... http://g1.globo.com/Noticias/Tecnologia/0,,MUL1465371-6174,00-APPLE+APRESENTA+IPAD+PRANCHETA+DIGITAL+COM+ACESSO+A+INTERNET.html

BJus

Sandro Rosendo disse...

O filme "Obrigado por Fumar" fala e mostra vários tipos de criticas e apoio que muitas empresas de tabaco obtém de setores governamentais entre outros órgãos, a parte mais importante do filme é quando ele critica a industria de tabaco, seus representantes, trabalhadores e consumidores. O filme mantém uma atitude cínica e irônica sobre os malefícios dos tabagismos para o ser humano, mais não esquecemos que esse segmento da economia que muito contribuiu para as mortes de varias pessoas, prejudica a saúde pública e gasta uma quantia muito grande de dinheiro no combate e prevenção. O filme na minha opinião foi uma maneira de mostrar os dois lados da moeda, por um lado fazer com que as pessoas se iludam com o consumo do tabaco, e do outro fazer com que as pessoas acordem para o verdadeiro perigo que elas correm ao consumir o cigarro, pois na vida real quem é viciado em tabagismo jamais terá um final feliz, se não parar antes que o tabagismo o pare. Nesse filme especificamente são usados vários tipos de ferramentas de marketing, como por exemplo, relação publica, propaganda, o marketing reverso e muito outros.

Sandro Rosendo disse...

O filme "Obrigado por Fumar" fala e mostra vários tipos de criticas e apoio que muitas empresas de tabaco obtém de setores governamentais entre outros órgãos, a parte mais importante do filme é quando ele critica a industria de tabaco, seus representantes, trabalhadores e consumidores. O filme mantém uma atitude cínica e irônica sobre os malefícios dos tabagismos para o ser humano, mais não esquecemos que esse segmento da economia que muito contribuiu para as mortes de varias pessoas, prejudica a saúde pública e gasta uma quantia muito grande de dinheiro no combate e prevenção. O filme na minha opinião foi uma maneira de mostrar os dois lados da moeda, por um lado fazer com que as pessoas se iludam com o consumo do tabaco, e do outro fazer com que as pessoas acordem para o verdadeiro perigo que elas correm ao consumir o cigarro, pois na vida real quem é viciado em tabagismo jamais terá um final feliz, se não parar antes que o tabagismo o pare. Nesse filme especificamente são usados vários tipos de ferramentas de marketing, como por exemplo, relação publica, propaganda, o marketing reverso e muito outros.

Maeli Aguiar dos Santos disse...

Boa tarde Prof...
O filme não é apenas uma história engraçada sobre um vendedor de cigarro. Ao contrário, no meu ponto de vista é inovador, criativo, leva à reflexão e, acima de tudo, propicia um interessante debate sobre um assunto polêmico e cada vez mais presente nas organizações e na sociedade como um todo.